Matt Kepnes, autor do livro “How to travel the world on $50 a day” (Como viajar pelo mundo com 50 dólares por dia), é especialista na arte de viajar com pouco dinheiro e partilhou com o Insider  cinco erros que deve evitar para gastar menos dinheiro na sua próxima viagem. Fique a conhecer.

Não faça reservas com muita antecedência

reservas
créditos: Pixabay

Em relação às viagens, nem sempre “Deus ajuda quem cedo madruga”. Kepnes aconselha-nos a controlar a ansiedade. É que poderão existir promoções e descontos mais próximos da data da viagem.

Para a compra dos bilhetes de avião, o autor sugere que se façam as reservas três ou quatro meses antes da viagem. Já em relação a cruzeiros e passeios em grupo, diz para aguardarmos até ao último minuto. Como as agências querem encher os barcos e preencher as vagas das tours, é comum fazerem descontos de última hora.

A reter: Tenha atenção a sua ansiedade que poderá levá-lo a fazer uma reserva muito antecipada apenas por receio de ter problemas futuros de disponibilidade. É importante verificar sempre os possíveis descontos antes de fazer a compra.

Não faça refeições perto das principais atrações turísticas

reservas
créditos: Pixabay

Se gosta de comer bem e barato mais vale afastar-se da área das principais atrações turísticas. Se caminhar pelo menos uns cinco quarteirões, é provável que vá encontrar opções mais económicas e com sabores mais autênticos.

O raciocínio de Kepnes é simples. “Quando os restaurantes sabem que as pessoas não vão voltar,” pelo menos a curto prazo, “não se preocupam com a qualidade". "Já os restaurantes locais, não turísticos, devem ter mais qualidade para fidelizarem clientes."

A reter: Quanto mais perto das principais atrações turísticas mais caras serão as refeições. É provável que a qualidade também não compense. Explore as redondezas antes de escolher onde comer.

Evite restaurantes com menus brilhantes e com vários idiomas

menu
créditos: Pixabay

Tal como Kepnes explica, é um sinal claro de que se trata de uma “armadilha para turistas”. Se sente dificuldades em decidir onde comer, por vezes, devido a barreiras linguísticas e sente que precisa de alguma orientação, opte por utilizar páginas como a TripAdvisor onde encontrará recomendações, reviews e avaliações de outros utilizadores. Os trabalhadores dos hostels são também uma boa fonte, partilha o autor.

Não utilize apenas um motor de busca

portatil
créditos: Pixabay

Existem vários motores de busca disponíveis para procurar o bilhete de avião mais barato e fazer a sua reserva. Os preferidos de Kepnes são o Google Flights, Skyscanner e Momondo.

No entanto, existem outros motores e, como Kepnes nos lembra, cada página tem o seu algoritmo, o que faz com que os critérios na busca dos voos possa variar, por isso, é importante pesquisar nas diferentes plataformas.

A reter: Não pesquise apenas nos grandes motores de busca pois estará a reduzir as suas hipóteses de encontrar o voo mais económico. Vale sempre a pena perder algum tempo a pesquisar em diferentes páginas. E não deixe de lado o site das próprias companhias aéreas. Nem todas as promoções aparecem como resultado nos motores de busca.

Evite perder tempo da mesma forma que evita desperdiçar dinheiro

passageiro aviao
créditos: Pixabay

Quando se viaja com um orçamento mais apertado, temos tendência a optar pelos percursos mais longos, que nos fazem aproveitar menos tempo os lugares. Podemos poupar, por exemplo, no bilhete de avião, ao fazer uma ou mais escalas, mas acabamos por perder um dia e chegamos cansados ao destino. Kepnes questiona. Valerá a pena esta poupança?

Para o autor, gastar pouco com uma viagem não significa “uma corrida até ao fundo”. Segundo Kepnes, há que valorizar tanto o tempo como o dinheiro e tomar decisões de forma inteligente em relação a ambos.

A reter: O tempo deve ser valorizado tanto quanto o dinheiro numa viagem. Poupar 30 euros num voo nem sempre compensa, uma vez que nos deixará mais cansados e com menos tempo para aproveitar o destino.

Matt Kepnes
créditos: Facebook/nomadicmatt

Matt Kepnes decidiu mudar de vida há 10 anos após conhecer um grupo de viajantes de mochila às costas na Tailândia. Este grupo de viajantes mostrou a Matt que não é necessário ser-se rico para viajar.

Uma década após largar o emprego e de ter viajado por 80 países, Matt Kepnes tornou-se num especialista em viajar com baixo orçamento. Para além de já ter lançado o livro "How to travel the world on $50 a day", Kepnes escreve também um blog onde partilha as suas experiências.

Planear com paciência: dicas para poupar numa viagem