Arruinar umas férias? Essa ideia está fora de questão. Por essa razão levámos em consideração os conselhos do Budget Travel e anotámos os dez erros mais comuns quando está a planear uma viagem. Tudo para evitar um descarrilamento naquelas férias que há tanto tempo anseia.

1. Não deixar tempo suficiente entre voos, no caso de escala

Atrasos acontecem e as viagens de avião não são exceção. O conselho é deixar pelo menos uma hora e meia de intervalo entre voos, não vá acontecer alguma surpresa. É verdade que muitas vezes é possível reduzir o tempo mas cada aeroporto é um aeroporto e nunca se sabe o que nos espera neste tempo de intervalo. Imagine que o embarque é numa zona oposta? Outro erro comum é não ter em conta o fuso horário. Confirme sempre os horários, mesmo que a marcação seja feita através de uma agência de viagens.

2. Não tratar do passaporte atempadamente

Graças ao acordo de Schengen é possível viajar entre vários países da Europa sem ser necessário o recurso ao passaporte. Mas o caso muda de figura quando falamos de viagens mais longas. Tratar do passaporte pode não ser barato e se o pedido for feito com urgência o custo é ainda mais elevado. É igualmente importante que confirme a data de validade do seu passaporte para não haver surpresas na hora do embarque. Tenha em atenção que há certos países que exigem uma validade do documento de pelo menos seis meses a partir da data da viagem. Se faz um uso regular do passaporte tenha também em conta que há países, como por exemplo a África do Sul, que exigem pelo menos uma folha totalmente em branco no passaporte sob o risco de a entrada ser recusada - situação que está fora de questão.

3. Subestimar a distância entre o hotel e o centro da cidade

Quem viaja com alguma frequência sabe que a localização é tudo numa viagem. Mas também sabe que quanto mais perto do centro da cidade, mais cara vai ficar a estadia. No entanto, há situações em que deve pensar antes de marcar um alojamento mais em conta mas, que ao mesmo tempo, possa ficar distante do centro. O tempo que perde em viagem e o custo dos transportes compensam o valor da estadia? Em que estação do ano vai viajar? A temperatura é suportável? O cansaço acumulado ao longo do dia não vai acabar por cobrar uma fatura maior? Pode ficar limitado em termos de horários? Está a viajar em família? Pese bem os prós e os contras. Nem sempre o mais barato é o melhor.

4. Não dar tempo ao tempo

Já ouviu falar daquela expressão “meter o Rossio na rua da Betesga”? Que é o mesmo que dizer “cuidado com planos irrealistas”. Não caia na tentação de fazer as coisas à pressa pois corre o risco de não desfrutar da sua viagem. Se pensarmos em cidades como Paris, Roma, Londres ou Nova Iorque, o Bugdet Travel sugere um tempo de estadia de pelo menos três dias. Não se esqueça de calcular o tempo que pode passar em museus e equilibrar com tempo de lazer. Parar para apanhar sol num parque ou para desfrutar de uma esplanada também são boas experiências de viagem e podem ser ótimas pausas para restabelecer energias.

5. Não assumir, à partida, as suas preferências e o que dispensa numa viagem

Não temos os mesmos gostos e o mesmo se aplica às viagens. Pode haver várias vertentes dentro da mesma viagem, seja de lazer, cultural, gastronómica, etc. Se é daquelas pessoas que prefere desfrutar a gastronomia local em vez de visitar os principais monumentos, por que não assumir isso à partida? Ou se prefere visitar locais emblemáticos em vez de aproveitar um destino onde pode fazer praia? O importante é planear e debater antecipadamente. Sobretudo se está a pensar viajar em grupo.

Aeroporto, tempo de espera

6. Cingir-se a roteiros turísticos e não explorar as redondezas

Já todos ouvimos a expressão “isso é para os turistas”. Há locais que são sobretudo visitados por turistas, e se pensarmos em cafés, restaurantes ou lojas, essa realidade não nos é estranha. Mas há mais para explorar. Por que não explorar um pouco a zona e conseguir viver experiências mais autênticas? Não hesite em procurar em blogs de viagem e em sites especializados informação sobre o local a visitar. Hoje em dia, a partilha de informação é muito mais fácil e é ainda mais fácil abrir horizontes. Afinal, é isso que pretendemos quando viajamos.

7. Basear a sua escolha de alojamento com base em fotografias promocionais

Cuidado com aquilo que pode vir a ser publicidade enganosa. Se o alojamento é um ponto importante para si, não se limite às informações dos sites dos hotéis. Hoje em dia com sites como o TripAdvisor é fácil ter uma perspetiva diferente daquela que é dada nos sites de hotéis com fotografias carregadas pelos hóspedes e críticas mais independentes. No entanto, há sempre que filtrar a informação pois estas opiniões baseiam-se nos gostos pessoais de quem as escreve. E nem todos valorizamos o mesmo.

8. Não ler com atenção os anúncios de alojamento

Se os hotéis não são a sua praia e prefere ficar em casas ou apartamentos, já há várias hipóteses à sua disposição. No entanto, não caia no erro de não ler os anúncios com atenção e correr o risco de fazer perguntas que já estão respondidas. Neste tipo de alojamento a confiança entre as partes é muito importante. Se estiver registado em sites como o AirBnb tenha, por exemplo, em atenção o preenchimento do seu perfil. Quanto mais informação partilhar, mais fiável será.

9. Escolher um aeroporto mais distante e acabar por gastar em deslocação

Dependendo do local escolhido, há várias opções em termos de companhias aéreas e aeroportos. No entanto há que fazer contas. Será que compensa comprar uma viagem de valor inferior mas ficar longe do centro da cidade ou do seu alojamento. Será que o que poupo em viagem vou gastar em deslocação? Não se esqueça de confirmar esses dados e de fazer simulações de percurso.

10. “Não há almoços grátis”

Está na busca por uma viagem e vê uma promoção que até parece mentira? Se parece é porque há alguma coisa que pode não bater certo. Muitas vezes há promoções que encontramos à venda em sites que podem esconder outro tipo de despesas que não sejam assim tão óbvias à partida. Confirme os serviços que estão incluídos na oferta e sobretudo os que não estão. Se vai de férias para estar em paz e sossego, a última coisa que vai querer é lidar com problemas.