Era uma vez uma família que teve um sonho: transformar um solar do final do século XIX numa casa de charme que convidasse os hóspedes a partirem numa viagem de descoberta dos costumes e das vivências de um povo que gosta de receber.

Como já dizia o poeta, “o homem sonha, a obra nasce”, e assim surgiu o Solar Egas Moniz, pela vontade da família Vinha de criar um projeto de turismo que marcasse a diferença e desse a conhecer uma região que conta histórias tão antigas como a própria fundação de Portugal.

Há, de facto, um ambiente de história de encantar nesta propriedade em Paço de Sousa, principalmente quando cruzamos a porta de entrada e descobrimos os recantos da casa. E a cereja no topo do bolo: fica apenas a 30 minutos da cidade do Porto. O pretexto ideal para fugir da azáfama urbana e mergulhar num mundo rural, onde vai acordar com os passarinhos, tomar um pequeno-almoço completo, visitar monumentos românicos, aldeias preservadas, uma quinta produtora de vinho e caminhar nos Passadiços do Paiva. Mas já lá vamos...

Quando chegamos ao Solar Egas Moniz, somos recebidos por um staff muito simpático e aproveitamos o fim de tarde cinzento para conversar com Iva Vinha, uma das responsáveis pela casa. Entre uma garfada de um delicioso bolo caseiro de chocolate e um café, Iva conta-nos como surgiu este projeto.

O pai, que tem uma imobiliária, viu esta casa, “totalmente velha”, à venda no ano de 2000. “A ideia, quando a comprou, era vender outra vez”, explica Iva. Passaram-se 10 anos e a casa não tinha sido vendida. Até que Iva e a irmã Filipa, ambas da área do turismo, decidiram criar um projeto, depois de um desafio lançado pelo pai.

Desafio aceite. O ponto de partida foi: “se iríamos avançar com um projeto destes, a casa tinha de ser muito bonita”, conta Iva. O solar de 1892 foi completamente restaurado, “só deixamos as paredes”, e valorizado com uma decoração requintada, com produtos, na maioria, da região. O resultado final é a “casa mãe”, ou seja, o solar antigo, que conta com a recepção, biblioteca, enoteca, sala de refeições e seis quartos; mais uma ala nova, criada de raiz, que conta com quatro quartos. Pelo meio, deixamo-nos encantar com uma conjugação de elementos modernos e clássicos, com inspiração no estilo shabby chic, que em nada lembra os antigos e pesados solares de Portugal.

Rota do Românico:  À descoberta do Portugal medieval
Rota do Românico: À descoberta do Portugal medieval
Ver artigo

Quando entramos pela porta e vislumbramos a escadaria de madeira que dá acesso aos quartos e à ala nova, lemos, entre os degraus, a história que explica o nome escolhido para o solar: “Era uma vez, um pequeno condado hoje Portugal ‘construído’ pela coragem e bravura de homens e mulheres que acreditaram num sonho e o tornaram realidade. Esta casa é uma homenagem a um destes homens... Egas Moniz, aio de D. Afonso Henriques, primeiro Rei de Portugal”.

Egas Moniz está sepultado no Mosteiro de Paço de Sousa, que fica a poucos minutos do solar. A construção do século X faz parte da Rota do Românico do Vale do Sousa e é uma das sugestões de passeio para quem visita a região.

Introdução feita, seguimos para o próximo capítulo. Os quartos do solar são inspirados em valores que representaram Egas Moniz, como “coragem”, “altruísmo”, “lealdade”, “honra”, e em elementos da cultura do Norte de Portugal, como os lenços dos namorados, o vinho, o azeite e o Vira.

Ficamos no quarto “Namorados”, uma escolha perfeita para os mais românticos e para os casais - um dos quartos mais procurados da casa, revela Iva. A confortável cama de casal com almofadas brancas e vermelhas, duas delas bordadas à mão, com os versos dos lenços minhotos, é a estrela do quarto, que tem bastante espaço e uma varanda com vista para o pátio interno, a horta biológica, e campos a perder de vista. A casa de banho é moderna e espaçosa.

Solar Egas Moniz
Quarto dos "Namorados" créditos: SAPO Viagens

Uma noite tranquila e silenciosa num ambiente acolhedor é o que lhe espera, com a promessa de um novo dia e de um pequeno-almoço delicioso, com ovos feitos na hora à sua medida, vários tipos de pães, bolos caseiros, frutas, sumos naturais, compotas e queijos da região. Tudo feito com carinho, numa sala com vista para a piscina e para o jardim.

Depois de uma bela noite de sono e um pequeno-almoço completo, pode optar por ficar a preguiçar pelos vários ambientes do solar. Cá dentro ou lá fora, vai, com certeza, encontrar um cantinho especial para relaxar, ler um livro, ouvir música, fazer um pique-nique com iguarias regionais e bolos caseiros, ou, simplesmente, ver o tempo a passar sem a preocupação de contar as horas.

Pode também optar por ir explorar a bela região do Vale de Sousa e arredores - lembre-se de que está entre Porto, Guimarães e Douro.

Os segredos escondidos da Quinta da Aveleda
Os segredos escondidos da Quinta da Aveleda
Ver artigo

Conhecer alguns pontos que constituem a Rota do Românico, como já foi referido acima, é uma das sugestões. Mas pode também visitar as aldeias de preservadas de Cabroelo e Quintandona, se passar pela segunda não deixe de experimentar os petiscos e os vinhos do Wine Bar Casa da Viúva, sobre os quais vamos escrever em breve. Por falar em vinhos, pode agendar uma visita à Quinta da Aveleda para descobrir mais sobre os vinhos verdes ali produzidos e encantar-se com os jardins românticos. Para os aventureiros, porque não experimentar rafiting no Rio Paiva ou ir percorrer os seus famosos passadiços.

Está visto que, se ficar hospedado no Solar Egas Moniz, experiências não faltarão para enriquecer a sua estadia, mas o melhor será, com certeza, aquela sensação de estar a regressar à casa, mesmo estando longe dela. E, quando encontramos sítios que nos fazem sentir em casa, guardamo-los sempre num lugar especial da nossa memória.

Texto: Alice Barcellos (sapo.viagens@sapo.pt)