A oportunidade surgiu durante a nossa roadtrip desde Estocolmo (Suécia) até Portugal.

O campus da Universidade de Canterbury (The University of Kent – Canterbury) fica muito perto do centro da cidade com o mesmo nome.

Nós estávamos de passagem para uma nova travessia no Canal da Mancha (que nos levaria de volta ao continente europeu) e seria então a estreia dos miúdos numa universidade. E que estreia!

Este campus é mesmo parecido com aqueles que se vê nos filmes americanos. Eu já conhecia a estrutura (estive um ano a estudar no estado de Wisconsin, nos Estados Unidos) mas os miúdos nunca tinham entrado num espaço assim.

E devo até confessar que, enquanto estávamos a preparar esta experiência de dormir numa universidade, não consegui reter uma ou outra lágrima de saudades daquele ano de 1997 passado no outro lado do Atlântico.

Para os meus filhos, o brilho nos olhos e todas as perguntas a saltar da boca revelavam a novidade de tudo isto.

Dormir na universidade
créditos: Viajar em Família

Apesar de muitas das actividades e dos serviços estarem encerrados porque era pleno Verão, deu para ficar com uma ideia geral do conceito.

Aliás, foi por causa das férias dos estudantes que nós conseguimos dormir na Universidade de Canterbury.

É assim que isto funciona: os estudantes vão de férias e as residências são abertas ao público, de forma a rentabilizar aqueles espaços que durante o ano lectivo são ocupados pelos jovens universitários.

Ao ficar neste alojamento “fora do normal” tivemos então a oportunidade de vivenciar um bocadinho daquele ambiente tão especial.

Ali pode-se praticar desporto nos enormes espaços verdes, frequentar cantinas e cafés, descansar nos jardins, fazer compras no supermercado ou na livraria, consultar livros na biblioteca, ver uma peça de teatro ou até um filme nas salas de cinema. Sim, tudo isto está dentro do mesmo campus.

Lembro-me de um dos miúdos me ter perguntado:
– Que pena as universidades em Portugal não serem também assim, não é mãe?

E eu tive de confirmar a constatação.

Depois de nos instalarmos, jantámos numa das cantinas com vista soberba sobre a cidade e a sua famosa catedral. Fomos comprar bolachas e água ao supermercado. E ainda nos cruzámos com vários grupos de estudantes e algumas famílias. Sentimos que fazíamos realmente parte daquele fantástico lugar.

Era uma oportunidade única de estarmos ali, fora de época. Para os adultos um momento cheio de memórias de outros tempos, para os miúdos uma antecipação do que ainda virá por aí.

Os quartos eram modernos e bastante completos: com secretária, televisão, casa de banho privada. Em cada andar havia ainda uma cozinha e uma zona de estar comum. Um espaço confortável para estudar, agora ao dispor de quem quer ter uma experiência original de alojamento.

E na despedida, a pergunta inesperada:
– Podemos ficar aqui, mãe?

Os miúdos gostaram tanto da experiência que, como pré-candidatos a universitários que são, já nem queriam sair de lá!

Por Joana Batista do Viajar em Família